Superando um fracasso

quinta-feira, 2 de outubro de 2014




Superando um fracasso

Por Swami B. A. Paramadvaiti


Todos passamos por momentos difíceis na vida, e há quem tenha de enfrentar fracassos de diferentes índoles. Mas mesmo assim não tem que se render: ser derrotado uma vez não significa que tenha perdido tudo.
O fracasso é um produto do karma, pois é a correspondente reação negativa de uma ação realizada no passado. Neste sentido, poderíamos dizer que a única coisa que contraria a nós mesmos são nossas próprias ações. Entender isto nos ajudará a mudar nosso destino: não há mal que por bem não venha. O fracasso é uma experiência que pode ser proveitosa se aprendermos com ela.
As dificuldades e os fracassos sucedem para que nos levantemos e conheçamos a existência de um problema em nós. Agora, se eu escorregar e cair ao chão, o que farei? O condenarei? Não. O próprio chão me servirá de apoio para levantar de novo. Isto se chama aprender com as falhas para não cair de novo. Mas o que nos permitirá dar passos firmes dai por diante, é precisamente o conhecimento do karma e a obediência à vontade Divina.
Uma pessoa consciente diz: “Estou passando por uma circunstância difícil que foi gerada por minhas ações. Mas ainda me sinto muito mal, considero que este golpe da vida foi minimizado por Deus, uma misericórdia cujo propósito é me fazer entender que devo mudar minha vida. Direciono-me a Deus para agradecer o que faz por mim, e para manifestar que não explorarei mais as pessoas nem serei indiferente diante aos seus problemas, tampouco voltarei a causar tristeza a alguém.” A má situação que faz sofrer é devido ao mal comportamento. Por exemplo, os animais que causam sofrimento e sacrificam para o consumo, segundo as Escrituras, ações como esta produzem reações negativas severas. Toda ação produz uma reação, assim, não podemos determinar a causa do efeito. Mas Deus sim conhece o porquê dos fracassos de todos. Como seres humanos nos deve bastar saber que a lei Divina exige a responsabilidade dos atos.
A dificuldade é que a maioria das pessoas não quer aceitar tal responsabilidade. Este é um caso de erro que tem que ser corrigido. Corrigir-se é um dever que em ocasiões é lembrado pelos fracassos. Deus utiliza os golpes da vida para darmos conta que foram feitas coisas incorretas, mas também para reconsiderarmos, sejamos excelentes e nos aproximemos dEle com uma atitude devota e amorosa. Quando nos sentirmos totalmente desanimados, abatidos, desamparados, poderemos nos refugiar em Deus e pedir perdão.
Se a forma de proceder não se corrige ao receber um golpe, então quando? Sem dúvidas, o mais comum é que as pessoas não reconsiderem nem sequer diante aos problemas, são tão teimosas que dizem: “Não, foi questão de má sorte, mas a boa sorte voltará. Só preciso ajustar alguns detalhes e pronto.” A questão é querer solucionar os problemas sem conhecimentos transcendentais, é outro caso de erro que leva a novos fracassos, pois não existe um arranjo material satisfatório para uma existência destinada ao seu fim, à morte, o último duro golpe da vida material.
O ideal é não esperar o fracasso para aprender a se conduzir na vida. Uma das instruções transcendentais mais importantes para não fracassar é pregar e não causar sofrimento a nenhum ser vivo. Mas se o sofrimento já estiver presente, é importante seguir em frente com muito ânimo, compreendendo que trata-se da reação do karma pessoal, então poderemos orar pela misericórdia Divina.
Toda atividade que realizemos sem amor, se converterá em um obstáculo que possivelmente dará pés ao fracasso. Entretanto, não há de se sentir vencido, porque Deus sempre estará ai, inclusive no momento mais difícil de todos, a morte. Ele nos acudirá se invocarmos Sua presença através dos Seus Santos Nomes. Pensar em Deus é a perfeição e garante o êxito da vida. Não deve-se esquecer que dependemos de Sua vontade e afeto.


Fonte: Coleção Sabedoria Védica

Postura ≠ Pose

terça-feira, 30 de setembro de 2014




Postura Pose

No curso que fiz com o Masterji Vishwanatha este mês, ele nos explicou o Saranga do Asana. “Sar” vem de “Sat” que significa “Seis” e “Anga” significa “Membro”, ou seja, Saranga = Seis membros. Assim como nos Yamas e Niyamas há 5 pontos, para se realizar um asana há 6 quesitos, sendo eles: Puraka (inspiração), Rechaka (expiração), Bandha (chaves corporais), Drsti (ponto de olhar), Ujjayi (pranayama/respiração revigorante) e Vinyasa (sincronização de movimento com respiração). Sem qualquer execução de um deles, o praticante não está praticando devidamente asana¹.
Esta também foi uma forma de esclarecer a diferença entre uma pessoa capaz de fazer uma postura difícil, como um contorcionista, por exemplo, e um praticante de yoga ao executar o mesmo movimento.
Desta maneira, podemos enriquecer nossa prática buscando executar o Saranga.

¹A prática de Ujjayi cabe somente ao praticante de Ashtanga Yoga, não quer dizer que um praticante de Iyegar Yoga, por exemplo, não esteja praticando asana pela ausência de Ujjayi Pranayama.

Yoga Inbound

quarta-feira, 30 de julho de 2014





Yoga Inbound

Por Swami B. A. Paramadvaiti



O SISTEMA DE YOGA INBOUND é a forma perfeita de vida que nos ensina a perceber e compreender toda a beleza que há dentro e fora de nós. INBOUND significa “ir adentro ou viajar para nosso interior para conhecer a nós mesmos, saber quem somos em essência e compreender nosso estar neste mundo.”

O Yoga é um sistema milenário que nos ensina a tomar consciência da nossa verdadeira realidade para viver em perfeita harmonia nos diferentes planos de existência e com as diferentes leis da natureza, tanto físicas como sutis. Tais como a lei de ação e reação, a lei da interdependência mútua, etc.

Pois o curioso é que sempre, antes de nos perguntarmos sobre o bem e o mal, sobre nossa alma e nossa morte ou sobre nossa angústia e nosso pecado, nos lançamos primeiro à conquista do mundo, objetivo aspirando revelar as leis que regem o funcionamento do Universo para pô-las ao serviço do homem, sem levar em conta a presença destes outros planos de existência que são cada vez mais sutis respectivamente e regidos por essas leis sutis que o homem moderno não consegue compreender por sua limitada visão externa ou física do mundo. Esses outros planos ou níveis de consciência são: os planos mental, intelectual e espiritual, ou subjetivo, que é o plano mais elevado de Consciência.


O SISTEMA DE YOGA INBOUND

O Yoga é um Conhecimento Divino que pertence à antiga Cultura Védica cuja prática se concentrou no território que hoje conhecemos como Índia, pois de acordo aos textos Védicos, essa cultura envolvia todo o planeta assim como demonstram recentes descobrimentos científicos. E graças ao Bhagavad Gita, o livro sagrado que resume toda a sabedoria desta grande cultura, podemos compreender que há quatro processos fundamentais de Yoga onde se desprendem as variações que existe hoje em dia.

O SISTEMA DE YOGA INBOUND, concebida por Srila Bhakti Aloka Paramadvaiti Swami no começo do novo milênio, integra esses quatro processos de Yoga como quatro fases que nos ajudam a aprofundar nossa viagem mística interior para a compreensão do nosso verdadeiro SER para viver harmoniosamente com nós mesmos, com nossos semelhantes, com a natureza, o universo e Deus, nosso Criador Supremo.


OS QUATRO PROCESSOS DO SISTEMA DE YOGA INBOUND

Qualquer pessoa pode praticar estes quatro processos de Yoga alcançando os diferentes níveis de evolução da sua consciência até alcançar o benefício mais alto desta forma humana de vida que é a compreensão de sua relação amorosa com Deus, o Senhor Supremo. Estes quatro processos que são parte integral do Sistema de Yoga Inbound são:

a)    Hatha Yoga: É o Yoga pelo qual o praticante, por meio do controle do seu corpo físico e sua mente (graças às práticas de uma vida natural e sã, de exercícios respiratórios e determinadas posturas ou asanas) alcança a compreensão de que é uma ALMA ESPIRITUAL e NÃO ESTE CORPO MATERIAL.

b)    Karma Yoga: Karma Yoga é a purificação das nossas atividades por meio da caridade e da generosidade para não sermos egoístas. Em outras palavras, o Karma Yoga nos ensina a executar as ações corretas que nos conduzem ao desapego e renúncia ao fruto do nosso esforço, oferecendo-o como um sacrifício para o bem do Senhor Supremo, em consequência para o bem de todos e estabelecer assim nossa relação amorosa com Ele.

c)    Jñana Yoga: É o Yoga que satisfaz nosso intelecto, por meio do qual o praticante dedica todo seu tempo ao estudo do Universo e suas leis, das entidades vivas e suas relações com o Senhor Supremo ingressando ao campo de Sua compreensão espiritual.

d) Bhakti Yoga: Bhakti significa amor e devoção, por tanto, o Bhakti Yoga nos ensina a estabelecer uma relação de amor e devoção com a Suprema Personalidade de Deus através de mantras ou o canto dos Seus Santos Nomes e o serviço amoroso e desinteressado a Ele. Entre os mantras mais recomendados, temos:

Om namo bhagavate vasudevaya
(com o qual iniciamos a meditação)

O maha mantra:

hare krishna hare krishna krishna krishna hare hare
hare rama hare rama rama rama hare hare
(com o qual pedimos serviço amoroso aos pés de lótus do Senhor Supremo)


Desta maneira, O SISTEMA DE YOGA INBOUND não só nos dá benefícios físicos como uma excelente saúde ou cura e prevenção de doenças, senão também mentalmente, nos outorgando o controle da mente e os sentidos para não sermos escravos deles e pelo contrário, ter força e energia para enfrentar os problemas e as responsabilidades da vida. Intelectualmente nos outorga uma excelente memória, concentração, criatividade, bom discernimento, determinação, força de vontade, etc. Espiritualmente nos dá a compreensão espiritual para nos aproximarmos de Deus através do serviço amoroso, livre e ininterrupto. E assim, nossas relações familiares e sociais vão se tornando cada vez mais harmoniosas, pois começamos a sentir a irmandade ou o AMOR UNIVERSAL com todos os seres e nossa eterna relação amorosa com Deus.


ALGUMAS RECOMENDAÇÕES MUITO IMPORTANTES

a)   O lugar deve ser muito bem iluminado, ventilado e cheio de muita paz para realizar seus exercícios sem perturbações.

b)    A roupa a usar durante os exercícios deve ser solta e preferencialmente de algodão.

c)   A comida de um praticante de Yoga deve ser vegetariana assim como é tradicionalmente.


O PROCESSO FÍSICO DO YOGA

1.     Yama: Abstinências: Não à carne, à droga, ao sexo ilícito nem aos jogos de azar.

2.    Niyama: Normas de conduta.

3.   Asana: Posturas do corpo: São técnicas para equilibrar o corpo e a mente fortalecendo e estimulando a boa saúde e aumentando a vitalidade das pessoas.

4.   Pranayama: São técnicas para equilibrar e distribuir adequadamente a energia vital do organismo através de boas inalações, exalações e retenções da respiração.

5.   Pratyahara: Controle das percepções sensoriais.

6.   Dharana: Concentração da mente.

7.   Dhyana: Meditação: Exercícios para desenvolver a paz interna e a serenidade da mente, conquistando a paz e a felicidade.

8.  Samadhi: Consiste na desaparição dos nossos desejos egoístas e o nascimento do único desejo de seguir a Vontade Suprema de todo coração.


Fonte: Coleção Sabedoria Védica

Satisfação ≠ Indigestão

segunda-feira, 7 de julho de 2014




Satisfação  Indigestão

Sua satisfação alimentar a base de carne nada mais é que uma grande indigestão.

Segundo Lazaeta Acharán, importante estudioso da medicina natural, há dois tipos de alimentos: alimentos que refrescam e alimentos que enfebram o estômago e o intestino. Os alimentos que refrescam são os que se comem crus, em seu estado natural, como frutas, sementes, talos, folhas verdes e algumas raízes.
Todo alimento cozido, exigindo esforço digestivo, congestiona as mucosas do estômago, elevando sua temperatura. Esta febre interna é mais intensa com a alimentação cadavérica (à base de carnes), com produtos industrializados e bebidas alcoólicas.

Muitas pessoas dizem que não conseguem satisfazer-se com frutas e vegetais, mas se sentem satisfeitos quando comem carne. Isso, na verdade, se deve ao fato de que as frutas são digeridas e assimiladas sem esforço por nosso corpo. Já um pedaço de carne obriga o estômago e o intestino a um esforço anormal, congestionando as paredes do tubo digestivo, produzindo gases tóxicos e gerando indigestão. É essa indigestão que, infelizmente, muitas pessoas confundem com uma alimentação suficiente, uma ideia totalmente errada e maléfica para a saúde.

Quando Te amarei

sexta-feira, 27 de junho de 2014



QUANDO TE AMAREI

Por Srila Atulananda Acarya



Quando Te amarei? Quando Te quererei?
Quando Te servirei, meu Senhor? 

Quando será um lótus puro meu coração?
Quando virás na noite
A roubar-me, zeloso, o sono?

Quando me terás de dia
Consagrado a Ti com tudo?

Quando gravarás Tua recordação
Na rocha de meu coração?

Quando Te verei? Quando Te ouvirei?
Quando Te saberei dentro de mim?

Quando tirarás esta cortina de ilusão
E Te apoderarás do que é Teu, meu Senhor?

Se me criaste para Ti
Não Te escondas, por favor,
Pois não se pode prescindir
De Teu generoso amor

Quando Te terei? Quando Te amarei?
Quando poderei saber que Te dei um prazer?

Quando não verei nem lua nem sol
E só perceberei Tua presença, meu Senhor?

Quando me terás e serei Teu “das”
Um brinquedo de Tua vontade?

Quando me chamarás
De Tua bela pastagem
E poderei Te servir?

A doçura da palavra amor

terça-feira, 17 de junho de 2014




A DOÇURA DA PALAVRA AMOR
Por Bhaktivinoda Thakur

Amor é uma palavra muito doce, quando ela é falada, um doce sentimento se manifesta no coração de ambos: a pessoa que falou e a pessoa que a escutou. Mesmo que poucos sejam capazes de entender seu verdadeiro significado, todo mundo gosta de escutar essa palavra. Todas as entidades vivas são controladas pelo amor. Muitos até mesmo abandonariam suas vidas por isto.
Amor é o único objetivo da vida humana. Muitos pensam que a satisfação dos seus desejos é o objetivo primário da existência, mas isso é errado. Por amor, um homem pode sacrificar o seu próprio interesse. Autossatisfação causa a busca por sua própria felicidade e autonomia. Mas amor causa o sacrifício de todo o interesse próprio para a satisfação da coisa ou pessoa que é querida por alguém. Mesmo que haja uma disputa entre amor e luxúria, o Amor é sempre vitorioso.

Ustrasana

quarta-feira, 4 de junho de 2014




POSTURA DO CAMELO

Esta é uma postura de extensão da coluna. Deve-se ter o cuidado de são sobrecarregar o peso na cervical ao soltar demais a cabeça para trás.
Nós fazemos uma preparação para chegar ao final indo com uma mão de cada vez ao pé e estendendo o outro braço à frente e permanecendo por algumas respirações com cada lado. Se possível, depois leva-se as duas mãos aos tornozelos para permanecer novamente, se não, termina apenas realizando a variação.
Com o tempo a coluna ganha o alongamento necessário para finalizar a postura.
É recomendado em posturas como esta de haver um professor que possa conduzir o praticante.

Parighasana

sábado, 31 de maio de 2014



POSTURA DA TRANCA

Esta é uma postura de intensa lateralização onde se cria um grande espaçamento entre as costelas na sua permanência. Também se trabalha o alongamento posterior da perna e coxa e abertura peitoral se executada devidamente.
Em Parighasana é recomendado a utilização de Madhyam Pranayama (respiração média – região das costelas) e permanecer por 5 respirações.
Quando não se alcança o pé com a mão oposta na lateralização (postura completa, figura 2), a mão oposta da perna deve permanecer bem estendida seguindo a linha vertical da lateralização enquanto a outra deve permanecer em cima da perna em Jñana Mudra, como é mostrado na figura 1.